domingo, 24 de fevereiro de 2008

Uma tarde qualquer...

Niilismo divertido, porta para uma existência profunda, esquecer pormenores e pontos de apoio na moralidade, sociedade produtiva destruída pelo espírito livre, estar na relva procurando o sentido da vida, 43 minutos que nos restam até ao fim do mundo e nós discutimos a força de uma frase sem sentido.
Por entre fés perdidas e dúvidas eternas descobrimos o sentido do respeito e da vida. Por entre discussões revelamos medos e procuramos por mais...
Sabes que o meu medo é distante do teu, temo a loucura e o afastamento da realidade e no entanto, sabes, no entanto executo longas caricias a ambas como quem acaricia uma pitão.
Sabes disso, não há mal que não concorde contigo!
Não me peças para respeitar um livro, não te justifiques compulsivamente, respeito-te a ti, figura física perante mim, conquistastes o respeito e isso é o mais que posso fazer por ti.
Não me peças para respeitar algo que não me possa olhar nos olhos, respirar e beber um copo comigo…
Isso e a majestade do céu nocturno, isso posso respeitar.
Nada mais, nada intrinsecamente, nada a priori, não trabalho assim.
Podes pedir-me a minha bondade, dar-te-ei a medida apropriada.

3 comentários:

Louernios, o Raposo disse...

A vida flui, e a alma passa.
Tick tack, o relógio puxa-nos para o fim do mundo. Fluimos, e passámos.

AnCaLaGoN disse...

"estar na relva procurando o sentido da vida, 43 minutos que nos restam até ao fim do mundo e nós discutimos a força de uma frase sem sentido."


Espero que saibas que estar na relvinha é bom... bem sabes o quanto aprecio... mas é infrutífero.
Salta da relva e dá sentido a tudo... mesmo às frases sem sentido atiradas por jovens venezuelanos de aparência nórdica.

A relva é boa... mas deve ser apenas um motel ao lado da estrada de experiências que devoramos.

nenúfar disse...

incrivelmente, identifiquei-me de imediato com o texto. não sei se a minha interpretação é legítima, mas arranjei logo uma ligação entre o que dizias e as minhas crenças católicas. queres acreditar e respeitar apenas algo que possas tocar, enquanto eu me deleito com a fé de acreditar sem ver.
a sério que gostei ;)

*