domingo, 25 de novembro de 2007

Á Esquerda de Deus


Eu reconheço o caminho, o sentimento, o desejo…

Sabes como é, renascer, sair a rua, sentir o frio na cara, senti-lo correr entre as minhas orelhas, entre as minhas cicatrizes, vivas, escarlates, mas agora nada mais que lembranças subjugadas pelo doce peso do presente.

Senti-lo na barba, símbolo de mim, expressão que tantos entendem como uma fuga a realidade, mas tu sabe-lo, sabes que é um elogio aquilo que é o fantástico…

Que estejamos aqui, neste momento, vivos, celebrando a carne, celebrando o que te mantêm nesta gloriosa, negra, suada e fria esfera sobrepovoada.

Já o sentiste?

O sentimento de caminhares sozinha, mas se fosse como tudo o mundo caminhasse contigo, ao teu ritmo, numa música que só tu conheces, que só tu ouvistes em sonhos recalcados, sonhos de luz que tu não compreendestes em manhãs que vieram demasiado cedo, de sonhos interrompidos pela existência mundana. Sabes agora que essa existência é só um mecanismo, um processo, um metafórico picar do ponto, o suster da carne pelo suor-não-tão-divertido.

Agora já nem sentes dor dos sonhos perdidos, porque os vives, porque quando fechas os olhos vês mundos para além das tuas paredes, para além dos titãs de cimento, das árvores que já viram a criação e destruição de vidas?

São estas as questões que te deixo, as questões que me deves responder!

Quero ver-te a descrever tudo, virtuosamente, de forma verbosa, criativa, criadora…

Quero que completes as minhas frases, que sonhes comigo no silêncio cortado pelos sons da carne, que te vistas de penumbra só para os meus olhos, que ascendas comigo…

Quero saber apenas se estás pronta, se és tu, se és digna, se tu caminharás comigo, à esquerda de deus.

5 comentários:

Pedro o Raposo disse...

Assim como o frio nos corta a pele, também os sentimentos nos cortam o coração, e os sonhos nos cortam a alma.

Somos assim... retalhos da vida, ou vivendo em retalhos. Não sei bem, e sabes que mais? Nem interessa.
Chega-me essa faca.

AnCaLaGoN disse...

I got nothing to say except:

"Quero que completes as minhas frases, que sonhes comigo no silêncio cortado pelos sons da carne, que te vistas de penumbra só para os meus olhos, que ascendas comigo…

Quero saber apenas se estás pronta, se és tu, se és digna, se tu caminharás comigo, à esquerda de deus."


Há aqui sonhos.

Cid disse...

Ok! Que digo? Muito bom? Cliché!! E para isso já basta muito zombie que para aí anda! Já alguma vez sentiram que sabem algo que o resto da maioria das pessoas não sabe? E que isso vos faz sentir de alguma forma especiais porque guardam um segredo que não vale a pena partilhar com os demais mortais porque eles não merecem? Não sei porque escrevo isto, mas há dias em que olho para as pessoas e questiono-me o que elas fariam se soubessem que há algo mais do que isto...
Que ilusão em que nós vivemos!...
Whatever...estou a divagar...

O mudo disse...

É pá, coiso e tal, isto faz-me lembrar assim a modos que um reclame da Nike. Ou será que era da Adidas? Ja não me alembro...

Só não percebi porque raio queres que a biach caminhe à esquerda de deus. Até parece que queres insinuar que deus é de direita. O que até poderia ser verdade, mas nem especificaste que a que deus te referias e assim a coisa fica complicada.

Bem, à falta de melhor podes sempre mandar uns quilos de C4 para o bucho e vai de explodir forte e feio. Bem, mais feio que forte.

Mas ao menos sempre consegues desovar, né verdade? Eu também queria ser assim. To go with a bang.

diehappynow disse...

Não há dúvida de que te deixas embriagar pelas palavras!